Google
 

domingo, 8 de junho de 2008

João Apolinário

os zeros relativos


Reduzo
o espaço
ao limite
do zero
nasce
o mundo
___
Não se pede à alma
que anteceda o corpo
se o nada só existe
depois de ser
concreto
____
Só das coisas reais
tenho o sentido
da transcendência
Não sei do homem mais
do que a essência
de ter vivido
____
Uma única
pétala
gera
um universo
de formas
em órbita
____
Tomo o ar
que respiro
e dou vida
aos deuses
invento a sombra
____
Do mar
faço a planície
para as estrelas
fecundarem a noite
os dinossauros
cantam
____
E da vida
faço este delírio
de batráquios
em fuga
roendo horizontes
____
Só na morte
ponho o zero
à esquerda
do zero
outro zero
começa
____
Depois
do ouro
velho
queremos
o vermelho

1 comentário:

Sinopse do Livro disse...

Olá,
achei seu blog muito interessante. Tenho um blog sobre literatura ( sinopsedolivro.blogspot.com).
Está interessado em parceria?

Abraço,
Equipe Sinopse