Google
 

terça-feira, 17 de junho de 2008

Ricardo Reis (Fernando Pessoa)

Este Seu Escasso Campo


Este, seu ‘scasso campo ora lavrando,
Ora solene, olhando-o com a vista
De quem a um filho olha, goza incerto
A não-pensada vida.
Das fingidas fronteiras a mudança
O arado lhe não tolhe, nem o empece
Per que concílios se o destino rege
Dos povos pacientes.
Pouco mais no presente do futuro
Que as ervas que arrancou, seguro vive
A antiga vida que não torna, e fica,
Filhos, diversa e sua.

1 comentário:

André L. Soares disse...

Amigo, bom dia!


Vi seu blog literário no sistema Blogblogs e gostaria de saber se o mesmo está aberto à parceria via troca de links. Caso esteja, meus blogs (todos com PR5 e com registro no Technorati e no Blogblogs) são:

http://poemasdeandreluis.blogspot.com/ [ Gritos Verticais - que é o meu blog principal]
http://poeticaheretica.blogspot.com/ [ Pó(ética Herética) ]
http://gritosverticaisdanaturezapoetica.blogspot.com/ [ Raiz de Cem ]
http://sonsdesonetos.blogspot.com/ [ Sons de Sonetos ]
http://prosaepoesia.wordpress.com/ [ O Poema Nosso de Cada Dia ]

Há, ainda, os blogs da Rita Costa, todos com PR4, que são:

http://almadepoesia2007.blogspot.com/ [ Alma de Poesia ]
http://naturezapoetica2007.blogspot.com/ [ Natureza Poética]
http://rioepoesia.wordpress.com/ [ Rio em Poesia]

A parceria pode ser com todos ou só com algum(ns). Isso fica ao seu critério. Fico aguardando.

Grande abraço!


André L. Soares.
direitos.autorais2006@gmail.com
.
.
.